10 de maio de 2016

Papéis de Parede de Maio

Comments

Olá! Atrasado mas não menos interessante, aqui está o papel de parede de Maio em suas versões! Famílias de peixes-bois nadando calmamente em águas tranquilas.

Pra baixar, é só clicar nos links abaixo da imagem:


Com calendário | Sem calendário | Mobile

3 de abril de 2016

Papéis de Parede de Abril

Comments

Abril chegou e com ele muitas datas comemorativas relacionadas a livros: no dia 2, o Dia Internacional do Livro Infantil, no dia 18, o Dia Nacional também do Livro Infantil, e no dia 23 o Dia Mundial do Livro, também conhecido como World Book Day. É nesse clima que o papel de parede desse mês também está. Pra baixar, é só clicar nos links abaixo da imagem a seguir:

23 de março de 2016

Livro: Clockwork

Comments

 Eu já nem tenho mais palavras pra dizer como Philip Pullman me conquistou com sua escrita. Depois desse livro e de A Oxford de Lyra eu tive certeza de que a série His Dark Materials não foi a única coisa boa que ele fez (apesar de A Oxford ser uma espécie de continuação dessa série). Eu amo como ele escreve pra crianças sem subestimar a inteligência de ninguém. Acho que gente de qualquer idade pode e deve ler, basta gostar de uma boa fantasia e personagens fortes (ah, e de momentos tão surpreendentes que a gente chega prende a respiração).

Clockwork é um livro fininho, de história intensa mas que pode ser lido rápido (eu li em poucas horas e eu leio bem devagar geralmente).

É o seguinte: a história se passa numa cidade bem pequena no interior da Alemanha, numa época onde tudo (a economia, a diversão, as histórias) giram em torno de relógios, daqueles antigos, cheios de engrenagens milimetricamente arranjadas.
Então dentro da história tem um aprendiz de relojoeiro que quer arrasar no dia em que tem que mostrar uma peça feita com os princípios de relógio (as engrenagens e tal) e que está disposto a fazer qualquer coisa pra conseguir isso, qualquer coisa mesmo... Tem também uma história dentro da história, que é tão inacreditável (e um pouco assustadora também) que você torce pra não ser verdade. Além disso, tem personagem por quem você não dava nada resolvendo os momentos chave da história e um final que é no mínimo um alívio pro coração que passa o livro todo apertado.


Ah, eu não tinha mencionado ainda, mas a leitura é em inglês. Um pouco mais fácil do que deveria ser a bússola de ouro e suas sequências, porque não tem tantos neologismos. Não consegui encontrar esse livro em nenhuma livraria, editora ou loja virtual daqui, mesmo com a edição importada, então comprei na Amazon dos EUA enquanto eu tava por lá. E por enquanto acho que era o único lugar que vendia mesmo. Acho que isso contribui pra que seja um título pouco conhecido, assim como outros do mesmo autor.


Essa edição (acho que deve ter apenas mais uma outra que não me lembro como é) é simples, de capa mole e folhas tão finas que são só um pouco melhor que papel jornal. Tem as folhas amareladas, o que eu acho muito agradável apesar do papel mais fraco. Gosto que é ilustrado, além de algumas imagens grandes, também tem umas menores nas entradas dos capítulos e outras que são como dicas ou comentários sobre a história, quase como se tivesse mais alguém lendo com você (a decisão é sua se isso é legal ou estranho). Ah, e as ilustrações tem esse estilo meio hachura, que não é dos meus preferidos, mas que sem dúvida combina com o clima da história e é de um cara que já ilustrou outros livros (provavelmente dessa mesma editora) de Philip Pullman.

É uma história que merecia ser mais conhecida, tem todas as coisas que uma história boa deve ter. Em alguma das resenhas da própria capa do livro alguém diz que merecia ser um clássico, e eu concordo. O fato de ser rápido e intenso ajuda a ter essa sensação de que é tudo meio inesquecível e que merece ser lido, relido e recontado pelas pessoas.

21 de março de 2016

Papéis de Parede de Março

Comments


Não, você não se enganou. Agora mesmo que está sendo 'lançado' o papel de parede de março e suas versões. Minha ideia inicial era de lembrar o dia internacional da mulher, e mesmo que a data já tenha passado, não desisti disso.

Resolvi lembrar o evento conhecido como 'A Queima dos Sutiãs', que não tem relação com o surgimento do Dia Internacional da Mulher, mas foi importante no ativismo feminino. Na verdade, não se queimou nada. Em 1968, mulheres se reuniram em frente ao teatro onde acontecia o concurso de Miss América, em Atlantic City (EUA) para protestar contra a ditadura da beleza. Além dos sutiãs, elas juntaram outros objetos que simbolizavam a feminilidade, como saltos altos, maquiagem e revistas femininas, para serem queimados. Mas antes que elas pudessem atear fogo, a prefeitura não autorizou o ato. A homenagem é simples, mas eu sinto que é válida.

Pra baixar, é só clicar nos links abaixo da imagem:



21 de fevereiro de 2016

Papéis de Parede de Fevereiro

Comments


Uau! Esse fevereiro foi um mês louco! Depois de algumas viroses e problemas com o blogger que deixaram o blog por dias fora do ar, aqui estão os papéis de parede desse mês, mas eu acho que dá pra usá-los por mais tempo que isso, desde que você queira, rs. O estilo é um pouco diferente do de janeiro, e acho que vou adotar pra os outros meses adiante.

Pra baixar, como sempre, é só clicar nos links abaixo da imagem a seguir:




6 de fevereiro de 2016

A Oxford de Lyra

Comments

Depois do fim no mínimo inesperado (pra mim) de A Luneta Âmbar, fiquei sentindo um vazio enorme, de uma forma que eu não me lembro que tenha acontecido com nenhum outro livro ou personagem. Então quando eu encontrei esse livro numa estante meio escanteada da livraria, senti um alívio antes mesmo de lê-lo: ia poder saber mais sobre Lyra e ou de onde ela veio (ou qualquer coisa do tipo)!


A Oxford de Lyra se passa alguns anos depois do fim de A Luneta Âmbar, quando Lyra já está adolescente e vivendo sua vida normal em Oxford. Até que um dia, quando eles estão de boas nos telhados da Jordan, uma ave, mas não uma normal, o dimon de uma feiticeira cai do céu. Machucado, ele diz que veio buscar a ajuda de Lyra pra encontrar um elixir pra curar sua feiticeira. Lyra decide ajudar, afinal, feiticeiras sempre foram amigas. Mas pra isso, ela precisaria ir até a casa de um alquimista lá da cidade que não tem uma reputação muito boa, mas nessa busca pelo elixir, ela começa a perceber que a história não é bem como o dimon contou não hein...

É incrível como mesmo o livro sendo fino e a história curta, não falta emoção e surpresa. É uma leitura agradável e sem dúvida genial como toda a série Fronteiras do Universo. Acho que qualquer dia desses vou reler, só pra lembrar de algumas coisas.


Essa edição é muito bonitinha! E a única que tem por aqui, que eu saiba. É de capa dura e tem um tamanho menor que o dos livros normais, praticamente um livro de bolso. Tem ilustrações pequenas nas entradas dos capítulos, assim como nos livros principais da série. Mas também tem outras ilustrações, ao longo do livro, nesse estilo que parece gravura em linóleo (e talvez seja), e o traço do ilustrador combina tão bem com a vibe do livro! É a mesma pessoa que fez a ilustração da capa.
Agora a parte mais incrível visualmente desse livro foi que TEM UM MAPA! Primeiro eu fiquei feliz de achar mais um livro sobre Lyra, depois fiquei apaixonada com esse mapa maravilhoso, que além de ajudar a entender um pouco mais a história, é muito bonito. Mas eu amo mapas e talvez seja suspeita pra falar. E tirar suas próprias conclusões olhando pra foto abaixo:


Achei essa edição numa parte de promoções da livraria (amo aquele cantinho) e custou só R$ 15! Não faço ideia de qual seria o preço normal dele porque nunca cheguei a pesquisar preço, até porque, sinceramente, eu não fazia ideia da existência desse livro até encontrá-lo na estante das promoções da livraria. Se bem que depois desse surgiu um interesse maior em procurar outros títulos do autor. Foi assim que descobri que também existe o Once Upon a Time in the North, que ainda não foi traduzido nem é vendido aqui no Brasil. De aparência semelhante ao 'A Oxford de Lyra', só que com a capa azul (e uma ilustração mais a ver com a história), se passa antes do começo de 'A Bússola de Ouro' e conta como o aeróstata do Texas Lee Scoresby e o urso Iorek Byrnison se conheceram. Mal posso esperar pra ler!

8 de janeiro de 2016

Papéis de Parede de Janeiro

Comments
Papéis de Parede de Janeiro (2016) | Amavelmente Irônica

Primeiro Post do Ano!
E não podia começar melhor do que com FREEBIE!

Ano passado eu quis dar um clima retrô aos papéis de parede, mas dessa vez a única coisa que eles vão ter em comum é que todos vão ter padrões (patterns)! Ah, e agora também teremos a versão mobile, pra poder usar no celular ou tablet.

Nesse calor, nada melhor que picolé pra refrescar! E aí, vai querer de cajá, goiaba, graviola, com calendário ou sem?

Papéis de Parede de Janeiro (2016) | Amavelmente Irônica


E que 2016 seja tão doce e agradável quanto os picolés que eu gostaria de tomar!
;